Aprenda sempre – e leve essa ideia para a empresa

Como se destacar em um mundo que está sempre mudando e exigindo conhecimentos novos? A palavra-chave é: aprendizado. Não há como se destacar no mercado e criar vantagem competitiva sem ter conhecimento. E, se isso vale para cada profissional, também vale para cada empresa. Desta vez nos baseamos em um artigo* da Business Camp para levar até você alguns pontos importantes sobre o assunto. Confira!

aprender

O que é uma organização que aprende? – Segundo o livro A quinta disciplina (ed.Best Seller), de Peter Senge, o primeiro passo para tornar-se uma organização que aprende é o “engajamento de todos os membros da empresa”. Isso significa investir tempo e ferramentas para que os colaboradores possam compartilhar experiências, estudos e informações em geral.  Nem sempre, porém, existe engajamento dos funcionários para compartilhar conhecimento, o que também pode ser explicado pela falta de estímulo no ambiente organizacional. Para mudar a situação, é preciso que a própria empresa torne o dia a dia desafiador, fazendo do aprendizado algo importante, fornecendo ferramentas para que experiências possam ser compartilhadas, e estimulando e recompensando quem está participando ativamente, especialmente líderes no nível intermediário da cadeia, que podem ter mais poder de influência no dia a dia, e não apenas os que estão no topo.

Conhecimento deve ser gerido estrategicamente De que adianta ter todo o conhecimento do mundo à disposição sem que haja uma gestão adequada do mesmo? Em meio a tantas informações disponíveis, é preciso criar uma estrutura para a troca de informações, captação de dados e disseminação. Vale a pena estabelecer uma hierarquia, ainda que de forma flexível, e definir quem será responsável pelo quê e de que forma compartilhará o que aprendeu.

Segundo Nonaka e Takeuchi, citados no artigo da Business Camp, há quatro formas para converter o conhecimento:

1) socialização e troca de experiências;

2) externalização, com articulação do conhecimento tácito (inconsciente, que vem da experiência) para criar conhecimento explícito (formal e sistemático, expresso por números e palavras);

3) troca de conhecimentos explícitos através da tecnologia da informação;

4) internalização, que incorpora o conhecimento explícito no tácito.

Níveis de aprendizado – Finalmente, é preciso considerar que o aprendizado nas empresas acontece no nível individual e no organizacional. No primeiro, ocorre através de um processo mental e emocional, dependendo das experiências de cada um. No segundo, depende do questionamento de valores e comportamentos por parte da empresa, que precisa reduzir barreiras hierárquicas, compartilhar visões e o pensamento sistêmico. Pense bem: sua empresa está preparada para aprender? Caso não esteja, pode ser a hora de reverter a situação!

* Para ter acesso ao artigo original, na íntegra, acesse: http://bit.ly/1NkPGNj